Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Lei 10.639/03 - Pela Consciência Negra na Escola

Essa semana tivemos um Oficina aqui na Escola "Murilo Braga" sobre como trabalhar a cultura afro-brasileira em sala de aula. Buscando fugir de estereótipos e de preconceitos que vem marcados em nosso discurso, mesmo que não percebamos.
O Prof. Chiquinho no falou, por exemplo, do verbo DENEGRIR, que significa sujar, manchar, e vem da palavra negro, logo negro = sujo??? Quando repetimos essa palavra, mesmo sem perceber estamos reforçando o discurso preconceituoso e racista.
Por que quando se fala sobre a cultura e a arte do Egito não se diz que o Egito faz parte do Continente Africano? A África é trabalhada em sala de aula apenas como o lugar de onde vinham os escravos, ou através dos conflitos tribais, o que passa para o aluno afro-descendente: "olha o lugar de onde vieram os seus antepassados, o que seria de você se vivesse lá?" Deve se ter em mente que esse tipo de abordagem reforça a diminuição do descendente africano. Deve se deixar clara em sala de aula que a África não é uma tribo, mas o Continente berço da civilização humana, de lá nós viemos, então em maior ou menor escala, somos todos um pouco africanos.
A construção de uma nova visão sobre a cultura afro-brasileira nas escolas tem como base o trabalho do professor, que deve ser consciente e esvaziar a reprodução do discurso preconceituoso de qualquer natureza. Não podemos repetir o erro da chamada Abolição da Escravatura que abandonou os negros a própria sorte, tornando-os alvos fáceis para a exploração não de seu Senhor, mas agora de seu patrão. Ainda hoje vemos essa história se repetir, raras são as exceções de negros bem sucedidos quer seja nos estudos, quer seja no mercado de trabalho, não sejamos hipócritas!!!
A Lei 10.639 de 09 de janeiro de 2003 sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva alterou a Lei de Diretrizes e Bases (LDB). A partir de então, tornou-se obrigatório a inclusão, no currículo das escolas de ensino fundamental e médio (públicas e privadas), o estudo da História e Cultura Afro-brasileira. Busca-se com isso, resgatar a contribuição da raça negra nas áreas sócio / econômico, política e cultural no cenário brasileiro. A lei propõe ainda, que os calendários escolares incluam o dia 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra.
Parece pouco, mas é uma grande conquista que deve ter a participação ativa de nós professores, enquanto formadores de cidadãos (essa é a nossa real função), engajados em formar uma sociedade mais justa, mais humana, e que tenha o real respeito às diferenças. Espero de coração que todos, como eu, procurem se informar mais um pouco sobre essa lei, antes de colocá-la em prática, a fim de que não se esvazie a importância da mesma e se crie novos preconceitos a partir dela, como o que aconteceu no caso das cotas para universidade.
Devo salientar aos meus colegas que nossa profissão é formadora de opiniões e nossas ações estão diretamente ligadas a uma sociedade futura que está se formando diante de nossos olhos, então quanto mais comprometido e responsável for o nosso trabalho, melhor será a nossa sociedade!!!

Um comentário:

  1. pelo seus blogs, dá uma imprensao ainda do estusiasmo pela descoberta do mundo, sobretudo das artes e das letras, percebo como estou cansada e velha de espírito, as frases, os poemas, as crônicasq vc posta são lindos e verdadeiros, porém o meu tempo de brincar já passou.Tudo no fim vira entretenimento de Pessoa a Paulo Coelho , conforme sua capacidade de compreensão e grau de intelectualidade.

    ResponderExcluir